George Orwell e a revolução dos bytes - Resenha do livro A Revolução dos Bichos - Análise de O Triunfo dos Porcos - George Orwell < Artigos < Duplipensar.net
 

 



Resenha do livro "A Revolução dos Bichos" de George Orwell
Revisado em 10.05.2007

Para decifrar a revolução dos bytes são necessários três passos. Inicialmente, leia “A Revolução dos Bichos” de George Orwell. Escrito em 1945, essa sátira sobre a revolução comunista é um excelente exemplo da ascensão e queda da euforia em torno da Nova Economia.

  George Orwell e a revolução dos bytes
 


 

Leu? Agora é preciso decifrar as personagens:

A história se inicia com a visão do porco Major. O idealizador, o guru já moribundo, previa a reestruturação do controle executivo da fazenda. Segundo Major, os próprios animais deveriam ter o controle das decisões, descontinuando assim a administração do decadente do Sr. Jones, único humano na fazenda.

Para desenvolver o projeto de transformação do passado numa realidade promissora, eram necessários porcos pró–ativos para concretizar o sonho do Major. Os porcos eram os animais mais perspicazes e os que adquiriram mais inteligência (sem o dono saber).

A liderança era dividida entre dois suínos: o bravo e justo Bola–de–Neve, o qual idealizou o Animalismo (todo poder aos animais) e seu opositor, Napoleão, um porco calculista e sedento de poder. Durante a reestruturação, Napoleão, misteriosamente, expulsa Bola–de–Neve da fazenda numa emboscada secreta sem rastreamento de dados.

Napoleão tomou para si o mérito de introduzir novos métodos, um futuro melhor e um lema: “Quatro pernas bom, duas pernas ruim”. Todos os animais deveriam ser iguais, mas só os porcos tinham o controle administrativo. Para se garantir no poder, tudo o que era antigo era ruim e toda adversidade era atribuída ao “traidor” Bola–de–Neve.

O pequeno orador Garganta foi o porco escolhido para dar um “reply all” para que todos os outros animais ficassem incentivados com o novo projeto da nova administração. As mensagens focalizavam na alta prioridade da construção do Moinho de Vento e nos números favoráveis da administração Napoleão. Enquanto os porcos não tinham pudor em adotar os privilégios da antiga administração, eles ficavam cada dia mais gordos e a ração dada aos outros animais apenas diminuía.

Para revolução ir ao ar, alguém precisa fazer a engrenagem funcionar sem parar. O animal mais forte da fazenda, o cavalo Sansão, tinha dois bordões de lealdade e cegueira: “Napoleão tem sempre a razão” e “Trabalharei mais ainda”. Depois de trabalhar mais e mais e receber menos e menos, Sansão é vendido ao açougue, apesar dos esclarecimentos de Garganta de que o valente cavalo foi levado ao hospital.

“A vida dos burros é longa”, assim encara o cético e pessimista Benjamim. O Burro não falava, não contestava e tinha a convicção que a vida é mesmo difícil e, por isso mesmo, ela está acima de qualquer inconveniente causado pela revolução. Benjamim era o único que sabia que Sansão iria para o abate, mas mesmo saindo do sério pela primeira vez não se voltou contra os porcos.

Quem sempre aceitou o novo ideal sem mesmo se dar conta do porquê foram as ovelhas. Personagens fundamentais, elas só conseguiam repetir os slogans criados por Garganta. Desde o inicial “Quatro pernas bom, duas pernas ruim” até ao contraditório “Quatro pernas bom, duas pernas melhor”. Elas nunca perceberam as intenções dos porcos em apenas tomar o poder. Apenas repetiam, chegavam quase sempre no horário e ficavam até mais tarde se fosse preciso.

A fazenda foi se tornando pequena. Os pombos espalharam as boas novas, atualizadas diariamente. Os humanos de outros lugares, sabendo da eficácia do novo projeto, ficaram maravilhados. Quando o moinho foi finalmente concluído, Napoleão chamou os consultores externos para avaliar a fazenda dos animais. A excelência do método empregado era impressionante: mínimo de ração, muito trabalho e prazos absurdos. Enquanto isso, os outros animais, ao verem os porcos se esforçando para andar em duas patas já não sabiam mais distinguir mais quem era humano e quem era porco.

Se você se identificou com os personagens e fatos da história de Orwell, basta renomear o arquivo para a “A revolução dos Bytes” que o enigma estará decifrado.

Leia também:
A granja da igualdade - Resenha do livro "A Revolução dos Bichos" de George Orwell - Rodrigo Constantino
Não desistimos nunca! Releitura de “A Revolução dos Bichos” de George Orwell - Márcio Salgues
Especial George Orwell

Livro citado pelo autor do artigo:
• Livro A Revolução dos Bichos - GEORGE ORWELL

  Resenha do livro A Revolução dos Bichos de George Orwell George Orwell e a revolução dos bytes Resenha do livro A Revolução dos Bichos de George Orwell George Orwell e a revolução dos bytes Resenha do livro A Revolução dos Bichos de George Orwell George Orwell e a revolução dos bytes
Recomende este artigo
Recomende o artigo "George Orwell e a revolução dos bytes - Resenha do livro 'A Revolução dos Bichos / O Triunfo dos Porcos' de George Orwell".